13 de jan de 2011


Todos os dias pela manhã tem a mesma sensação de finitude do mundo. Da vida.
No resto das horas não consegue definir se vive ou se flutua.