13 de jan de 2011


Todos os dias pela manhã tem a mesma sensação de finitude do mundo. Da vida.
No resto das horas não consegue definir se vive ou se flutua.

13 comentários:

Dica disse...

A gente perambula.

Roberto Santana disse...

Este ai sou eu...

Matheus N. disse...

no resto das horas..

por muito tempo um tempo bom de se viver.. ou flutuar.

André HP disse...

Gravidade de jardins - dupla gravidade.

Abraço, poeta.

Natália disse...

Essa sensação grandiosa me acompanha pelos dias, e pelas noites também.

Brenda Matos disse...

Temos que ser leves e infinitos.

Samuel disse...

lindo lindo

que seja céu enquanto voa...

Sol Brito disse...

Oi..voltei a escrever.Te espero lá no meu 'Pedaço'...Beijos!!

Renata de Aragão Lopes disse...

Ou se voa.
Prefiro! : )

Beijo,
Doce de Lira

Pedro Pan disse...

, flutuar é bom. por entre poesias ainda...
, beijos meus.

Pedro Pan disse...

, flutuar é bom. por entre poesias ainda...
, beijos meus.

Samuel disse...

Olá Diana!

Bem! bom te ver!
Tem um presentinho pra você lá no "Sempre tem algo acontecendo"

Apareça!
http://sempreacontecendo.blogspot.com/2011/04/selo-este-blog-nos-cativa-post.html

com carinho

Samuca

Jacqueline disse...

Viver e flutuar são boas coisas. Pior seria não saber definir se põe os pés no chão ou deixa de viver.