16 de mai de 2010

'atrapalhada como sempre', repetia silenciosamente
como um mantra que talvez resolvesse alguma coisa.
tinha a boca grande, olhos atentos e melancólicos,
mãos finas e no centro do corpo magro, um coração pulsante,
louco pela vida, pelo amor, pelo quentinho daquele abraço,
um conforto no meio desse mundo tão estúpido.
tinha defeitos: o nariz grande, o dedão do pé redondo demais
e aquela intensidade estranha que muitas vezes
a pintava de louca.

9 comentários:

Lara disse...

A personagem do seu texto me lembrou uma coisa que eu estava pensando ontem, quando vi um cara feio participando do "Vai dar Namoro". Você olha para um cara daqueles e e percebe que ali é uma pessoa procurando amor, mas não consegue encontrar ninguém que o queira porque tudo se baseia apenas no superficial, na beleza física que cada um carrega.

Sabe, fico apenas imaginando a solidão dessas pessoas e o "coração pulsante,louco pela vida, pelo amor, pelo quentinho daquele abraço,um conforto no meio desse mundo tão estúpido" que pessoas assim tem.

Little dreamer disse...

Sao essas caracteristicas q te fazem ser unica e perfeita!
Ironico ne? =O

Cleyton Cabral disse...

Adoro vir aqui tbm. Beijo grande.

Camila Paier disse...

É a intensidade que nos transforma em insanas convictas, não é não?
Eu pego carona nessa idéia, e me deixo transbordar também de qualquer coisa, nos extremos e tudo válido! Como você, eu acho.
Adorei, guria.
Beijoca!

Juliana. disse...

Ah cada um de nós temos um pouquinho de cada sentido ai descrito!
Um beijo Diana
Obrigada pela presença!

Renata de Aragão Lopes disse...

Sou assim:
meio louca! : )

Beijo,
doce de lira

Tamára Roots disse...

que linda,que lindo *-*
e essa intensidade estranha tb faz parte de mim..
bons dias.

Camila Mancio. disse...

é tão lindo, parece até que está falando de mim, amei.

lívia ramos disse...

gosto muito dos teus escritos!
bejoooos