2 de dez de 2010

tenho trazido comigo todas as minhas malas.
as antigas e as novas.
tudo que tenho acumulado nesses anos estranhos,
pares ou ímpares anda comigo.
não é medo nem apego, é só uma maneira pesada de
lembrar quem sou todos os dias.

5 de nov de 2010

quando você quer rasgar o peito em dois
e contar o que passa lá dentro,
ninguém te ouve.

3 de set de 2010

alguém disse que eu viria pra essa vida danificada.
e eu vim.

25 de jun de 2010

estou trazendo toda aquela felicidade
que há tempos era impedida de se manifestar.
hoje não, hoje solto risos verdadeiros
e meu coração é tão tranquilo
quanto esse céu azul que vejo da janela.

18 de jun de 2010

tinha pensado em carregar somente a si
daqui por diante. deixaria o passado em seu lugar,
[se tiver um lugar pra ele] deixaria as dores de cabeça
pra quem consegue pensar com elas.
as ansiedades, chateações...deixaria tudo enterrado
em algum lugar seguro nesse mundo pra que nunca
mais a seguissem.

3 de jun de 2010

love won't bring me down

24 de mai de 2010

hoje eu vi um fantasma na janela do quarto.
ele apenas me sorria, parace que entendia
aquela nuvem estranha no céu.
e os pés da moça pousados no seu colo,
que tanto me incomodava na tarde de domingo.
'já estou morta' lhe dizia.

16 de mai de 2010

'atrapalhada como sempre', repetia silenciosamente
como um mantra que talvez resolvesse alguma coisa.
tinha a boca grande, olhos atentos e melancólicos,
mãos finas e no centro do corpo magro, um coração pulsante,
louco pela vida, pelo amor, pelo quentinho daquele abraço,
um conforto no meio desse mundo tão estúpido.
tinha defeitos: o nariz grande, o dedão do pé redondo demais
e aquela intensidade estranha que muitas vezes
a pintava de louca.

4 de mai de 2010

'Repetir mil vezes: não quero esperar.
E a certeza de que esse não querer já traz implícitas as longas caminhadas'
                                                                              
                           Caio F. Abreu

30 de abr de 2010

me quebro todos os dias. vou andando e
ouvindo os caquinhos caírem no chão,
como aquela xícara que você bateu a mão sem
querer e ela se espatifou no chão.
me despedaço, me arranho, que sujo e sangro
todos os dias, mas à noite no sono, nos sonhos
tento me colar, me curar, juntar os pedaços.
às vezes funciona. às vezes não.
hoje não.

21 de abr de 2010

já ando atrás dos meus caderninhos antigos,
só pra saber se te escrevi no meu passado alguma vez.

16 de abr de 2010

'e eu que só me vejo em partes?
 [eu vejo meu reflexo no espelho]
e ele só me vê em partes,
 [me olha torto quando me penteio]'

                                            érika machado,

11 de abr de 2010

ela tinha a sensação que era quase tudo novo.
desde os seus pés até os grãos de areia que se grudavam
no seu sapato velho-novo.
era o coração que respirava todo dia como se fosse novo.
e era.

5 de abr de 2010

Cinco ou seis anos depois estávamos dentro do mesmo espaço.
A gente se sabia li, mas ninguém deu nenhum sorriso e muito menos nenhuma palavra.
E eu só estaria ali pela influência literária que
me foi tão útil nesses cinco ou seis anos.
Tenho certeza que a sensação estranha não foi só a minha.
Os olhares se cruzaram algumas vezes e aquela última frase da nossa
última conversa passeoupela minha cabeça em alguns instantes.
Não pensei em alívio ou qualquer coisa que fosse justificar a
distância que se nasceu depois do amor. Era apenas isso.
Eu fui embora quando ele me jurou amor e não prometi voltar.

E quando voltei era tão tarde que não sobrou nenhum
pouco pra reconstruir qualquer coisa que fosse.
Existiam outras pessoas, outras vidas.
E estávamos ali, cinco ou seis anos depois ouvindo,
vendo e sentindo o texto que fez parte de nós.
E que faz parte de mim agora,
Sem você.

1 de abr de 2010

é tão bom quando a gente desengasga o amor que tem no peito.
o mundo fica mais leve. aquele peso das obrigações vai embora
quando o telefone toca só pra lembrar que tem alguém pensando em você.
(ainda não sei se tem sensação melhor no mundo)
 eu não quero as asas que a vida me deu,
porque quero ficar por muito tempo no teu abraço.

27 de mar de 2010

parei de escrever porque não sei mais escrever,

20 de mar de 2010

Ela sabe.
De alguma maneira quando ela me olha ali encostada na porta e pergunta se eu estou bem
e eu apenas respondo 'sim', ela sabe que não é totalmente verdade.
Sabe porque me conhece mais do qualquer outra pessoa no mundo
e eu também sei disso, mas prefiro soltar meu 'sim' fingido e continuar em frente.


É o dia mais nublado do ano
e hoje eu me lembro daquele conselho:
'segura o coração com as duas mãos e vai em frente'

13 de mar de 2010

dou um impulso pra respirar na superfície,
mas logo vou sentir o lodo no fundo do lago.
me sinto viva.
e quase-morta.

7 de mar de 2010

não sabe do que se trata e anda por aí
pedindo explicações para estranhos,
contando segredos de mentira pra quem ama e
escrevendo romances quase reais.

13 de fev de 2010

e eu tenho vontade

de segurar seu rosto e ordenar que você seja esperto e jamais me perca e seja feliz. e entenda que temos tudo o que duas pessoas precisam para ser feliz. a gente dá muitas risadas juntos. a gente admira o outro desde o dedinho do pé até onde cada um chegou sozinho. a gente acha que o mundo está maluco e sonha com a praia do Espelho e com sonos jamais despertados antes do meio-dia. a gente tem certeza de que nenhum perfume do mundo é melhor do que a nuca do outro no final do dia. a gente se reconheceu de longa data quando se viu pela primeira vez na vida.

@tatibernardi


 porque a gente só é feliz com amor.

2 de fev de 2010

viver dá trabalho, mas é bom.

23 de jan de 2010


        o tempo passa rápido demais.


19 de jan de 2010

'estendo a mão e não te alcanço nunca'
    foi esse o pensamento que nasceu na minha cabeça hoje.

10 de jan de 2010

"A esperança de que ele ligasse ou aparecesse ou ficasse
para sempre fazia a vida ser boa não importasse a espera."

@tatibernardi

6 de jan de 2010

ser humano é mesmo um bicho escroto.