17 de set de 2009

É meu corpo que anda pedindo. Pedindo alguma coisa que não se identifica que não usa placas nem aviso algum, Mas eu sei que ela existe. E procuro nos livros alguma resposta, nos textos antigos do fundo da gaveta, na sua única carta que ainda guardo, pra ter a certeza de que ainda me sentes, mas não encontro. Nem você, nem resposta alguma e me preparo para simplesmente ir embora, como em todas as vezes que não mais achei respostas dentro de mim.

7 comentários:

Luciano de Sálua disse...

As perguntas estão dentro de nós, já reparou. Todas elas! Mas as respostas, sempre nos outros, sempre! Tá aí uma das grandes garças desse enorme jogo.

P.S.: Desde que li seu blog, fico atualizando ele direto, só para ver se tem mais alguma palavra tua por aqui, rs. Obcecado? Talvez.. rs. Mas adorando essa paixão platônica. Vou ler seus posts antigos, rs, se já não o fiz, rs.

ERICK MOURA disse...

calma, nao va assim.
procure um pocuco mais, pois sempre se tem algo no final do filme.

o texto ficou muito bom, so que é como eu falei "sempre se tem algo no final do filme"

bjao pra tu sua menina

;D

ERICK MOURA disse...

fiquei um tempinho sem entrar na net por falta de tempo, mas agora estou de volta.
fiquei alguns dias sem postar nos dias certos que é dia de terça e quinta.(dia de postar no meu blog.)
mas arrumei um tempinho agora, e voltei com tudo.
por sinal tem ate texto novo, pode entrar e conferir ;D

bjao pra voce sua menina :D

Kuriozza disse...

As vezes venho aqui para ver suas palavras e, por muitas delas, não ouso 'comentar'. É um poder fantástico esse seu, de deixar minhas palavras mudas.


Bons dias.
=)

Pequena Poetiza disse...

ás vezes é preciso deixar ir...

beijos

Priscila Rôde disse...

Somos duas! Ando me preparando! ;/

Ni ... disse...

Dói ir, mas existem momentos que é a única solução...!

Beijo