14 de mai de 2009

Sobre a distância
Te trago no solado das minhas botas e te derramo em pequenos pedaços por onde ando, E em cada grão teu que eu deixo cair nasce uma gota da saudade das tuas ruas, das tuas luzes que tanto gostava de observar. Te trago no peito também, confesso. E cada palavra que derramo é uma vontade de tornar meus desejos realidade: caminhar pelas madrugadas silenciosas nas tuas ruas. Ter medo e mesmo assim continuar, porque sei que me acolhes a cada amanhecer. E mesmo que eu vá embora, sei que quando voltar, teu porto vai me receber de braços abertos.

10 comentários:

a primeira estrela disse...

ow,que fofo: "E mesmo que eu vá embora, sei que quando voltar, teu porto vai me receber de braços abertos. " gostei bastante viu? beijo =*

Pequena Poetiza disse...

é mt bom saber que temos um porto seguro que estará sempre lá quando a gente precisar
essa segurança
essa base
pra quando nós precisamos pisar em terra firme.


adorei seu canto

seus escritos são de grande intensidade

voltarei
=]

beijos

Ni ... disse...

Como é gostoso saber que temos pra onde retornar...

Lindo!

Beijo e mais beijos...

Maria Fernanda disse...

"E em cada grão teu que eu deixo cair nasce uma gota da saudade das tuas ruas"Essa saudade é que sufoca.

Kuriozza disse...

Esse porto seguro é o que segura essa alma da gente. Se não fosse isso, ela teria partido há tempos..

ps: Posso até sentir o cheiro dos grãos. =)

Mitras disse...

òtimo texto, a madrugada silenciosa realmente atrai

Madame Morte disse...

Calmo e cheio de certeza,como o coração de um casal idoso,que se torna uno.

Saudades daqui,bem legal o layout novo^^

Boo disse...

queria ter essa tua certeza.

Srta Diazepan disse...

não tem como ser menos o que é nosso...

beijos

i ILÓGICO disse...

me senti nas botas!!!