23 de abr de 2009

Deu um salto. Talvez já tivesse dado o salto algumas vezes e em todas as vezes a sensação de liberdade no ar foi tão pequena que era como se não existisse o salto, apenas a queda. E que quedas. Mas não pensava mais nisso. Queria mesmo era voar, com todas aquelas possíveis impossibilidades, voar era muito mais apetecedor pra ela. Soltou as amarras há um tempo, quando avistou um céu mais limpo onde podia desfrutar da tal liberdade. Não sabia o nome, nem queria nomear esse céu. Dar nome ao céu talvez fosse limitar tudo que ele podia oferecer. Sendo assim preferia apenas voar e voar. Sem nomes, sem tempo, sem expectativas exageradas. Ela queria voar e voava. E era feliz.

6 comentários:

Kuriozza disse...

E eu deveria me inspirar um pouco mais nela e sair voando por ai..

ps: Linda essa imagem da menina com os balões!

Bjs!

Felipe Attie disse...

Sorte a dela.

NiNah disse...

Que linda!
Bjos

O Velho disse...

Vem me assistir nessa quarta, Diana!

Passa no Velho pra saber mais!

Beijão!

;-)

Madame Morte disse...

Ninguém vence a gravidade.Uma hora ela cai e quebra a cabeça.

a primeira estrela disse...

voar é fácil,só é você pensar em coisas felizes que você consegue voarrr! =) confortável aqui =**