31 de out de 2008

Quanto mais acho que vai dar certo, sai errado. E pode ser que seja um mau presságio. Deve ser. Pode ser, mas que seja alguma coisa. Que esse silêncio seja quebrado pra que não haja uma cortina de infinitas possibilidades por dentro. Porque ando com um pergaminho de palavras desajeitadas e perguntas sem resposta e carregar isso debaixo da pele ainda dói. E desconfio que vá doer pra sempre. Essas dúvidas são doloridas mesmo. Como a unha encravada, o pedaço de vidro entre os dedos do pé... mas é inevitável se viver com isso e um dia o vidro sai, a unha sara e o coração descansa. Um dia.

Um comentário: