22 de set de 2008

A luz queimou e deixou mais escuro aquilo que já era escuro: o seu interior. Porque ali poderiam existir mil lâmpadas da mais alta “capacidade iluminativa” que nunca chegaria a ser uma pessoa iluminada. E nesse ponto era como um ator triste a interpretar a personagem mais feliz de todos os contos, uma perfeita mentira, por isso a luz podia mesmo estar acesa, isso não importaria naquele momento, nem para aquela pessoa. Não se podia numa hora, num dia ou em mil anos descobrir o por quê dessa escuridão toda dentro de uma pessoa que poderia ser livre. E sempre se pergunta: livre de quê afinal? Porque a pessoa sem liberdade pode ser quem analisa também, não se pode esquecer que tudo nesse mundo está ligado a uma só afirmativa: depende. A luz continua queimada.

5 comentários:

Briza disse...

que tão triste.

Diana Valentina disse...

é.
mas é triste pro objeto.
pra mim não mais.
=*

Briza disse...

ufa!

O Velho disse...

Se tudo depende, a máxima "tudo depende", depende também?

E a luz? Do que depende?

Vixi...

;-)

P.S.: Saudades!

Diana Valentina disse...

está tudo ligado no "depende".
até o depende.
eita, cpmplicação nessa vida

eu vou é mimbora desse mundo.