15 de set de 2008

Foi uma saudade estranha. Digo estranha porque já não existe amor, mas aquela falta de alguém que eu sei que já não existe mais. É como uma morte. A pessoa com quem eu queria estar não existe e nem vai existir mais. E isso dói às vezes, mas também me deixa mais leve. Eu só queria aquela sensação de tê-lo ali, pronto pra me segurar a qualquer hora como tantas vezes já fez, mas não, não dava, não dá mais. E é um sentimento que me pega desprevenida em alguns dias da vida, ultimamente. É vontade que esse lugar seja preenchido, mas não só preenchido pelo simples fato de me sentir não-vazia, mas porque eu preciso me dividir em alguém. E eu não seiu explicar o por quê. Não sei, só sinto assim. Quero acordar e perceber que as cores estão mais vivas ao redor.

Nenhum comentário: